Dor da endometriose leva 30% ao ortopedista antes de diagnóstico

Desconforto causado pela doença pode se confundido com hérnia de disco; dor é pulsante e frequente, piorando durante o período menstrual

0
61

 

Dor lombar por endometriose pode ser confundida com problemas ortopédicos
Dor lombar por endometriose pode ser confundida com problemas ortopédicos Visual Hunt

Dor frequente na região lombar nem sempre significa problemas ortopédicos. Entre as mulheres, a dor nessa região das costas pode ser causada pela endometriose, segundo o ginecologista Marco Aurelio de Oliveira, chefe do Ambulatório de Endometriose do Hospital Universitário Pedro Ernesto, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (HUPE-UERJ).

De acordo com Oliveira, o problema ocorre porque o tecido endometrial que não é liberado junto a menstruação aparece em outros lugares do corpo e, nesse caso, se instala no ligamento uterossacro — ligação entre o útero e o osso sacro, localizado atrás do útero, ao final da coluna, na curvatura das costas para o bumbum. A instalação do endométrio nesse local faz, então, com que os nervos da região se inflamem, provocando a dor.

Embora o problema seja comum entre mulheres que têm endometriose, cerca de 30% delas passam antes em um ortopedista, suspeitando que seja algum problema na coluna, hérnia de disco ou bico de papagaio mas, ao realizar um exame, o médico não identifica qualquer distúrbio que explique aquela dor.

O ginecologista explica que a dor é pulsante e frequente, piorando durante o período menstrual, causando incômodo e, em alguns casos, variando de moderada para intensa, e tem anos de duração.

Oliveira afirma que a dor lombar causada pela endometriose pode também passar despercebida entre ginecologistas, já que o problema apresenta sintomas que podem ser classificados como “genéricos”, o que faz com que o diagnóstico definitivo demore uma média de 8 a 10 anos para ser descoberto.

Pela demora na identificação da origem das dores, muitos dos especialistas recomendam antinflamatórios e analgésicos, sendo paliativos. “A principal diferença entre a dor lombar ortopédica e a dor por endometriose é a piora durante a menstruação e, se realmente for uma dor otopédica, os exames de imagem indicarão uma hérnia, por exemplo. Já a dor causada por pedras nos rins é bem diferente, sendo super aguda, emergencial, ocorrendo nas costas desde a parte mais alta até a bexiga”, explica o médico.

Para diagnosticar a dor, o médico afirma que é importante observar se a paciente apresentas fortes cólicas menstruais, se toma muitos remédios para a dor e se a dor lombar piora no período pré-menstrual e menstrual. “É importante também que a paciente fale para o ginecologista se sente dores lombares, e desconfiar se a endometriose pode ser a causa”, afirma o médico.

Em formas mais graves, a doença pode ser identificada por meio do exame de ressonância magnética.

Em estágios iniciais, a doença só pode ser diagnosticada por meio de uma laparoscopia, procedimento cirúrgico mimimamente invasivo, no qual, através de pequenas incisões, é introduzida uma câmera, que permite visão interna e coleta de material cirúrgico, caso necessário.

Entre as soluções oferecidas são o uso de pílulas anticoncepcionais que, enquanto utilizadas, “pausam” a liberação do endométrio no corpo, aliviando as dores. Se a mulher para de usar esses hormônios, a endometriose volta a se espalhar e as dores retornam.

O problema também pode ser resolvido por meio de cirurgia laparoscópica, no qual é retirado o tecido endometrial do local afetado. “A cirurgia, além de alivar a dor, melhora o processo de gravidez dessas pacientes”, afirma Oliveira. A cirurgia laparoscópica é disponibilizada em hospitais da rede pública.

A endometriose é um processo inflamatório que ocorre pela liberação do endométrio, tecido que reveste o útero durante o ciclo menstrual, na direção contrária à menstruação, se instalando em órgãos e outras regiões do organismo. Os principais sintomas são dores intensas durante o período menstrual, nas relações sexuais, ao evacuar e urinar. A infertilidade também é uma queixa comum entre pacientes com endometriose.

Foto: Reprodução